Entry: sítio Thursday, January 29, 2004



perco todos os limites facilmente. sinto todos os pormenores a atingirem-me como balas perdidas de uma qualquer guerra... e tu não vês isso.
não vês que trago comigo um sorriso inocente e estúpido ganho à custa de quase nada e que vai lentamente desaparecendo conforme me puxas para a tua realidade. conforme apagas a luz. não vês. não queres ver.
sempre me deixaste a pairar naquela ténue linha entre o cair e o voar e eu, eu nunca soube sentir-me bem nesse sítio, mas aprendi a planar aí.

vá lá... não faças o vento soprar com mais força.


sim... a nossa história sempre teve muito pó nas entrelinhas...

   4 comments

stella
February 1, 2004   12:26 AM PST
 
é tão bom ler-te!
é tão assustador ao mesmo tempo...
andamos a correr atrás de suspiros...
não apagues a luz... tenho medo do que está para vir ainda...
Ana
January 31, 2004   05:41 PM PST
 
Maps..certas dores estão reservadas aos mais sensíveis... mas a outra face da moeda dessa dor é sentir também os pormenores deliciosos como pouca gente. Felicidades para ti:)
groze
January 30, 2004   07:46 PM PST
 
É com prazer que volto a ler-te... voltaste em grande, com um texto belíssimo, cheio de imagens, como quadros pendurados nas paredes de uma casa morta.

Gosto da maneira como vês as coisas e não considero difícil identificar-me com estas palavras e com esta dor.

Ainda bem que te partilhas com o mundo.
icaruh
January 30, 2004   02:03 AM PST
 
à força de querer voar há quem já tenha caído do céu.. mas não voar é tão mais cruél..

já tinha saudades das tuas palavras.

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments